segunda-feira, 8 de maio de 2017

Caminhos do Sannyasin...






Que minha rebeldia seja a liberdade de minha sensatez...,
que minha expressão seja Pura Poesia...
que meu Ser seja pleno amor...
que meu caminhar seja plena Paz...








Há anos atrás decidi mergulhar na imensidão do ser...
Sannyas é uma escolha, um mergulho... viver a liberdade, ser a liberdade, transformar a vida em liberdade.
Sannyas é profundo amor e profunda paz... mas isto só se encontra quando o coração decide viver em liberdade...
Assim comecei este caminho, em 2010...
Não é fácil deixar de existir naquilo que você conhece... mais difícil ainda é trilhar o caminho que você (pensa que) conhece de si mesmo, e desvendar-se...
A "realidade que se vê" nem sempre corresponde com a "realidade que se cria" - e nisto os grãos de areia turvam a visão...
Você é aquilo que você acredita ser ou você é aquilo que você não enxerga que você seja?
Por fim quem somos nós?
Sannyas ensina sobre as tramas do ego e as tramas do amor...
sua vida e sua existência se desenvolverá de acordo com o fio da meada que você decidir desvelar...
Neste caminhar as pétalas do coração começam a se abrir...
E a jornada recomeça...
A maior responsabilidade é compreender que no aprendido, pode-se estar em introspecção meditativa e em plena manifestação criativa...
Quando você percebe que é capaz de vivenciar estes dois momentuns da existência torna-se seu próprio Sannyas...
Minha eterna gratidão aos ensinamentos que obtive e que hoje tornam meu caminhar a plena contemplação da parte mais bela de meu ser...
Eu sou grata...
Elena Públio - 08/05/2017 - 20 hrs.

Sannyas - Osho,
Quais são as qualidades de um sannyasin?
"É muito difícil definir um sannyasin,
e mais difícil ainda se você for definir os seus sannyasins.
O sannyas é basicamente uma rebelião contra todas as estruturas, daí a dificuldade de se definir.
Sannyas é viver a vida de uma maneira não estruturada.
Sannyas é ter por caráter, ser sem caráter.
Por "sem caráter" eu quero dizer que você não depende mais do passado.
Caráter significa passado, a maneira que você viveu no passado, a maneira com a qual você ficou habituado a viver, todos os seus hábitos, condicionamentos, crenças e experiências. Isso é o seu caráter.
Um sannyasin é alguém que não vive mais no passado ou através do passado, é alguém que vive no momento, por isso ele é imprevisível.
Um homem de caráter é previsível, mas um sannyasin é imprevisível, porque ele é liberdade...
Sannyas significa coragem, mais do que qualquer outra coisa, porque ele é uma declaração de sua individualidade, de sua liberdade, de que você não será mais parte da loucura coletiva, da psicologia coletiva. Ele é uma declaração de que você está se tornando universal; você não pertence mais a país algum, a igreja alguma, a raça alguma, a religião alguma.
Para ser um sannyasin, é preciso um coração aberto, um coração amoroso, uma profunda confiança em si mesmo e nada mais é preciso. Você não tem que se entregar a algum mestre, não tem que venerar algum Deus e nem tem que fazer alguma prece para alguma hipotética divindade. Você não tem que ir a templos e igrejas feitos pelo homem para encontrar aquilo que está escondido dentro de você
Todo anseio por pertencer é enganoso.
Algum dia o sannyas começará. Ele pode começar no momento da iniciação, se a sua intensidade, integridade, se a sua confiança e seu amor forem totais, mas raramente é assim. Iniciação é apenas você dizendo sim para a existência, e abrindo todas as suas portas e janelas para que a brisa fresca e o sol entrem e limpem você e o tornem parte do todo.

O sannyas precisa de um sim total e então ele pode acontecer neste exato momento. Mas a sua pequena dúvida – ela pode ser muito pequena – é como uma pequena areia em seus olhos, e você não consegue abrir os olhos. Só um pequenino grão de areia pode impedi-lo de ver todo este belo mundo. A dúvida é exatamente como um pequenino grão de areia em seu olho interior. Ele pode impedi-lo de ver o esplendor e a glória da vida, o seu próprio potencial e suas próprias flores que têm esperado por vidas para crescer e desabrochar, mas você não lhes tem dado chance.

 A primeira qualidade de um sannyasin é uma abertura à experiência.  Normalmente as pessoas são fechadas, elas não são abertas à experiência. Antes que elas experienciem alguma coisa elas já têm prejulgamentos a respeito. Elas não querem experimentar, elas não querem explorar. Isso é pura estupidez.
           Ele não decidirá antes de ter experienciado. Ele nunca decidirá antes de ter experienciado. Ele não terá qualquer sistema de crenças. Ele não dirá, 'isso tem que ser desse jeito porque Buda disse assim'. Ele não dirá, 'isso tem que ser assim porque está escrito nos Vedas'. Ele dirá, 'eu estou pronto para entrar nisso e ver se é assim ou não'.
          Um sannyasin não carregará muitas crenças, na verdade, não carregará nenhuma. Ele carregará apenas as suas próprias experiências. E a beleza da experiência é que a experiência está sempre aberta, porque sempre é possível mais exploração. E a crença é sempre fechada, ela está completa. A crença está sempre acabada. A experiência nunca está acabada, ela permanece inacabada. Enquanto você estiver vivendo, como pode a sua experiência ter acabado? Sua experiência está crescendo, está mudando, está se movendo. Ela está continuamente se movendo do conhecido para o desconhecido e do desconhecido para o incognoscível. E lembre-se de que a experiência tem uma beleza porque ela é inacabada. Algumas das maiores canções são aquelas que estão inacabadas. Alguns dos maiores livros são aqueles que estão inacabados. Algumas das maiores músicas são aquelas que estão inacabadas. O inacabado tem uma beleza. ....
          Nenhuma história pode ser bela se ela estiver completamente acabada. Ela estará completamente morta. A experiência sempre permanece aberta, o que significa inacabada. A crença está sempre completa e acabada. Assim, a primeira qualidade é uma abertura à experiência.
          A mente é a reunião de todas as suas crenças juntas. Abertura significa não-mente. Abertura significa você colocar a sua mente de lado e estar pronto para olhar para a vida mais e mais vezes de uma maneira nova, não com os velhos olhos. A mente dá a você os velhos olhos, ela lhe dá novamente idéias: 'olhe através disso'. Mas então a coisa se torna colorida, mas você não olha para ela, você projeta uma idéia em cima da coisa. Então a verdade se torna uma tela na qual você continua projetando.
          Olhe através da não-mente, através do nada - shunyata. Quando você olha através da não-mente, a sua percepção é eficiente, porque então você vê aquilo que é. E a verdade liberta. Tudo mais cria escravidão, somente a verdade liberta.
          Naqueles momentos de não-mente, a verdade começa a filtrar em você como luz. Quanto mais você desfrutar dessa luz, dessa verdade, mais você se tornará capaz e corajoso para abandonar a sua mente. Mais cedo ou mais tarde, um dia chegará em que você olhará mas não terá qualquer mente. Você não estará olhando para alguma coisa, você estará simplesmente olhando. O seu olhar será puro. Em tal momento você terá se tornado avalokita, aquele que olha com olhos puros. Esse é um dos nomes de Buda: Avalokita. Ele olha sem quaisquer idéias, ele simplesmente olha."
- Osho.


 A segunda qualidade é viver existencial. O sannyasin não vive a partir das idéias de que deve ser desse jeito, de que deve ser daquele jeito, de que deve comportar-se dessa maneira, de que não deve comportar-se daquela maneira. Ele não vive a partir das idéias. Ele é responsivo à existência. Ele responde com seu coração total, qualquer que seja o caso. Seu ser está aqui e agora. Espontaneidade, simplicidade e naturalidade. Essas são as suas qualidades.

          Ele não vive uma vida pré-fabricada. Ele não carrega mapas - como viver, como não viver. Ele permite a vida levá-lo para onde quer que seja. Um sannyasin não é um nadador, ele não tenta nadar contra a correnteza. Ele vai com o todo, ele flui com a correnteza. Ele flui tão totalmente com a correnteza que pouco a pouco ele não está mais separado da correnteza. Ele se torna a correnteza. É a isso que Buda chama srotapanna: aquele que entrou na correnteza. Esse é também o início do sannyas de Buda: aquele que entrou na correnteza, aquele que relaxa na existência. Ele não carrega avaliações, ele não faz julgamentos.
          Viver existencial significa que cada momento tem que decidir por si. A vida é atômica. Você não decide de antemão, você não ensaia, você não prepara como viver. Cada momento chega e traz a situação. E você está ali para responder àquilo. Você responde. Geralmente as pessoas vivem uma maneira muito estranha de vida. Se você for dar uma entrevista, você se prepara, você pensa naquilo que lhe será perguntado e como você irá responder, como você irá se sentar e como você ficará de pé. Tudo se torna falso porque tudo foi ensaiado. E então o que acontece? Quando você vai assim ensaiado, você nunca está totalmente presente. Alguma coisa está sendo perguntada e você está pesquisando em sua memória, porque você está carregando uma resposta preparada, quer ela se ajuste ou não, quer ela funcione ou não. Você segue perdendo o ponto. Você não está totalmente ali, você está envolvido na memória. ....

*

 A terceira qualidade de um sannyasin é uma confiança em seu próprio organismo. As pessoas confiam nos outros. O sannyasin confia em seu próprio organismo. Corpo, mente, alma, tudo está incluído. Se ele sente que está amando, ele flui no amor. Se ele não sentir que está amando, ele diz: 'sinto muito', mas ele nunca finge.

          Um não-sannyasin segue fingindo. Sua vida é vivida através de máscaras. Ele chega em casa, abraça sua esposa, mas ele não quer abraçar a mulher. E ele diz 'eu te amo', e tais palavras soam tão falsas porque elas não estão vindo do coração. Elas estão vindo do Dale Carnegie. Ele esteve lendo o seu livro 'Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas' e esses tipos de tolices. Ele está cheio dessas tolices. Ele as carrega e as pratica. Toda a sua vida se torna uma vida falsa, uma paródia. E, naturalmente, ele nunca está satisfeito. Ele não pode estar porque a satisfação vem apenas com uma vida autêntica. Se você não está sentindo amor, você tem que dizer isso, não há necessidade de fingir. Se você está sentindo raiva, você tem que dizer isso. Você tem que ser verdadeiro para com seu organismo, você tem que confiar em seu organismo. E você ficará surpreso: quanto mais você confiar, mais a sabedoria de seu organismo se tornará muito clara para você.
          O seu corpo tem sua própria sabedoria. Ele carrega a sabedoria de séculos em suas células. O seu corpo está faminto e você está jejuando, porque a sua religião lhe diz que neste dia você tem que jejuar. Mas seu corpo está faminto. Você não confia no seu organismo e sim numa escritura morta, porque em algum livro alguém escreveu que neste dia você tem que jejuar. Aí você faz jejum. Escute o seu corpo! Sim, existe dia em que seu corpo diz: 'faça jejum!'. Então faça. Mas não há qualquer necessidade de ouvir às escrituras. O homem que escreveu aquelas escrituras não as escreveu pensando em você..... Isso é como se você ficasse doente e fosse à casa de um médico falecido e lá encontrasse uma receita e começasse a segui-la. Aquela receita havia sido prescrita para uma outra pessoa, para uma outra doença, em uma outra situação.
          Lembre-se de confiar em seu próprio organismo. Quando você sentir que o corpo está lhe dizendo 'não coma', pare imediatamente. Quando o corpo estiver dizendo 'coma', então não se preocupe se as escrituras estão dizendo para jejuar ou não. Se o seu corpo disser coma três vezes ao dia, está perfeitamente bom. Se ele disser para comer uma vez ao dia, também está perfeitamente bom. Comece a aprender a ouvir seu corpo, porque ele é o seu corpo. Você está nele; você tem que respeitá-lo e você tem que confiar nele. Ele é o seu templo. É um sacrilégio impor coisas ao seu corpo. .... E você não vai apenas aprender a confiar em seu corpo, você vai aprender, pouco a pouco, a confiar na existência também, porque o seu corpo é parte da existência. Então a sua confiança irá crescer e você irá confiar nas árvores e nas estrelas, na lua,  no sol e nos oceanos. Você confiará nas pessoas. Mas o começo da confiança tem que ser a confiança em seu organismo; a confiança em seu coração. ...........
          Um sannyasin é aquele que confia no seu próprio organismo, e essa confiança ajuda-o a relaxar em seu ser, ajuda-o a relaxar na totalidade da existência. Isso traz uma aceitação geral de si mesmo e dos outros. Isso dá uma qualidade de enraizamento e centramento. Surge então uma grande força e um grande poder, porque você está centrado em seu próprio corpo, em seu próprio ser. Você tem raízes no solo. Por outro lado você vê pessoas sem raízes, como árvores arrancadas do solo. Elas estão simplesmente morrendo. Elas não estão vivendo. É por isso que não existe muita alegria na vida. Você não vê a qualidade da gargalhada; está faltando celebração. E mesmo quando as pessoas celebram, isso também é falso.  .........

*

 A quarta é um senso de liberdade.

          O sannyasin não é apenas livre. Ele é liberdade. Ele sempre vive de uma maneira livre. Liberdade não quer dizer licenciosidade. Licenciosidade não é liberdade, é apenas uma reação contra a escravidão; daí você se move para o outro extremo. Liberdade não é o outro extremo, não é uma reação. Liberdade é um insight: 'Eu tenho que ser livre, se é que eu quero ser algo. Não há outra maneira de ser. Se eu for muito possuído pela igreja, pelo hinduismo, pelo cristianismo, pelo islamismo, então eu não conseguirei ser. Então eles irão criar limites ao redor de mim. Eles seguirão forçando a mim mesmo como um ser aleijado. Eu tenho que ser livre. Eu tenho que assumir esse risco de ser livre. Eu tenho que encarar esse perigo.'
          A liberdade não é muito conveniente, ela não é muito confortável. Ela é arriscada. Um sannyasin assume tal risco. Isso não que dizer que ele vai sair brigando com todo mundo. Isso não significa que quando a lei disser mantenha-se à direita, ou à esquerda, ele fará o contrário. Não. Ele não se preocupa com questões triviais. Se a lei disser mantenha-se à esquerda, ele se manterá à esquerda, porque não é isso que é escravidão. Mas a respeito de coisas importantes e essenciais... ........
          A respeito de coisas essenciais, o sannyasin sempre manterá a sua liberdade intacta. E porque ele respeita a liberdade, ele respeitará a liberdade dos outros também. Ele nunca irá interferir na liberdade dos outros, seja lá quem for. Se a sua esposa se apaixonar por um outro, você se sentirá ferido, você irá chorar de tristeza, mas esse é um problema seu. Você não irá interferir nela. Você não dirá: 'pare com isso, porque eu estou sofrendo!'  Você dirá: 'Essa é a sua liberdade. Se eu estou sofrendo, isso é problema meu. Eu terei que lidar com isso, eu terei que encarar isso. Se eu sinto ciúme, eu terei que me livrar desse ciúme, mas você segue o seu caminho. Embora isso me tenha machucado, embora eu tenha querido que você não se fosse com um outro alguém, isso é um problema meu. Eu não posso me intrometer em sua liberdade.'
          O amor respeita tanto que ele dá liberdade. E se o amor não estiver dando liberdade, ele não é amor, ele é alguma outra coisa.
          Um sannyasin é tremendamente respeitoso quanto à sua própria liberdade, muito cuidadoso para com a sua própria liberdade, e da mesma maneira ele também é em relação à liberdade dos outros. Esse senso de liberdade lhe dá uma individualidade. Ele não é uma simples parte da massa. Ele tem um certo jeito único: a sua maneira de viver, o seu estilo, a sua atmosfera, a sua individualidade. Ele existe do seu próprio jeito, ele ama a sua própria música. Ele tem um senso de identidade: ele sabe quem ele é; ele segue aprofundando esse sentimento de quem ele é; e ele nunca faz concessões quanto a isso....

*

(.....) A quinta é criatividade. (........) Meu conceito de sannyasin é que a sua energia será criativa, é que ele trará um pouco mais de beleza a este mundo, ele trará um pouco mais de alegria a este mundo, ele encontrará novas maneiras de dançar e cantar; ele trará belos poemas e músicas. Ele criará alguma coisa, ele será criativo. .....

          Ele deve contribuir com alguma coisa. Permanecer não criativo é quase um pecado, porque você está existindo e não está contribuindo. Você come, você ocupa um espaço, e você não está contribuindo com coisa alguma. Os meus sannyasins têm que ser criadores. E quando você está em profunda criatividade, você está próximo de Deus. Isso é o que a prece realmente é. Isso é meditação. Deus é o criador e se você não é criador, você está longe de Deus. Deus conhece apenas uma linguagem, a linguagem da criatividade. É por isso que quando você compõe música, quando você está completamente perdido nela, alguma coisa de divino começa a se filtrar a partir de seu ser. Essa é a alegria da criatividade, esse é o êxtase - svaha!

*

 A sexta é um senso de humor, gargalhada, brincadeira, sinceridade não séria. Os antigos sannyasins não riam, eram mortos e chatos. O novo sannyasin tem que trazer cada vez mais risos para o seu ser. Ele tem que ser um sannyasin risonho, e o seu riso pode criar situações para que os outros também relaxem. O templo deve ser cheio de alegria, risos e dança. Ele não deve ser como uma igreja cristã. As igrejas parecem cemitérios. E com a cruz ali parece ser quase uma adoração à morte... um pouco mórbido. Você não pode dar gargalhadas numa igreja. Uma gargalhada daquelas que sacudem a barriga não seria permitida. As pessoas pensariam que você está louco ou algo parecido. Quando as pessoas entram numa igreja, elas se tornam sérias, duras... fecham a cara...

          Para mim o riso é uma qualidade religiosa muito essencial. Um senso de humor tem que fazer parte do mundo interior de um sannyasin.


  A sétima é a qualidade meditativa, o estar só,  o pico da experiência mística que acontece quando você está só, quando você está absolutamente só dentro de si mesmo.

          O sannyas torna você só, não isolado, mas só. Não solitário, mas ele dá a você uma solitude. Você pode ser feliz estando só, você não é mais dependente dos outros. Você pode sentar-se só em seu quarto e sentir-se completamente feliz. Não há qualquer necessidade de ir a um clube, não há qualquer necessidade de estar rodeado de amigos, não há qualquer necessidade de ir a um cinema. Você pode fechar os olhos e entrar na mais interna felicidade. Qualidade meditativa é isso.

*

E a oitava é o amor, a qualidade do relacionar-se, o relacionamento. Lembre-se de que você só pode se relacionar quando você tiver aprendido como estar só, nunca antes disso. Somente dois indivíduos podem se relacionar.Somente duas liberdades podem se aproximar e se abraçar. Somente dois nada podem penetrar um no outro e se desmanchar um no outro. Se você não é capaz de estar só, o seu relacionamento é falso. Ele é apenas um artifício para evitar que você esteja só, nada mais.

         E isso é o que milhões de pessoas estão fazendo. O amor delas nada mais é do que a incapacidade de estar só. Assim, elas andam com alguém. ficam de mãos dadas, elas fingem que amam, mas no fundo o único problema é que elas não conseguem estar sós. Por isso, elas precisam de alguém com quem andar, elas precisam de alguém para se agarrar, elas precisam de alguém para se apoiar. E o outro também está usando-as da mesma maneira, porque o outro também não consegue estar só, é incapaz. ...
          Assim, duas pessoas que você diz que estão amando, estão de certa forma odiando a si mesmas. E por causa desse ódio, elas estão tentando escapar. O outro ajuda-a a escapar, assim elas se tornam dependentes do outro, elas se tornam viciadas no outro. Você não consegue viver sem a sua esposa, você não consegue viver sem o seu marido, porque vocês estão viciados. Mas um sannyasin é aquele .......... É por isso que eu digo que a sétima qualidade é estar só e a oitava é amor-relacionamento.
          E existem duas possibilidades: você pode ser feliz estando só e você também pode ser feliz estando junto. Esses são dois tipos de êxtase possíveis para a humanidade. Você pode entrar em samadhi quando está só e você pode entrar em samadhi quando está junto com alguém em profundo amor. E há dois tipos de pessoas: os extrovertidos que acharão mais fácil atingir seu pico através dos outros; e os introvertidos acharão mais fácil alcançar seu pico maior enquanto estão sós. ,,,,,,,,,,,, O caminho de Buda é o caminho do introvertido; ele fala apenas a respeito da meditação. O caminho de Cristo é extrovertido; ele fala a respeito do amor.
          O meu sanyasin tem que ser uma síntese de ambos. Uma ênfase haverá: alguém estará mais enfaticamente afinado consigo mesmo do que com os outros; e alguém será exatamente o oposto, mais afinado com um outro alguém. Mas não há qualquer necessidade de se estar enganchado a um só tipo de de experiência. Ambas as experiências podem permanecer disponíveis.

*


E a nona é a transcendência, o Tao, não ego, não mente, ninguém, nada, afinado com o todo.  (........)
          Transcendência é a última e a mais elevada qualidade de um sannyasin.
          Mas essas são apenas indicações, não são definições. Considere-as de uma maneira muito fluida. Não comece a considerar que eu disse isso de uma maneira muito rígida. .... muito fluida, uma vaga maneira de ver, uma visão no crepúsculo, não como quando há um sol aberto no céu. Aí as coisas são muito definidas. No crepúsculo, quando o Sol está se pondo e a noite ainda não desceu, exatamente no meio, no intervalo. Considere o que eu disse dessa maneira. Permaneça líquido, fluindo. Nunca crie qualquer rigidez ao seu redor. Nunca se torne definível. 

 *
                  OSHO - The Heart Sutra - tradução: Sw.Bodhi Champak
Copyright © 2006 OSHO INTERNATIONAL FOUNDATION, Suiça.
Todos os direitos reservados.